Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Duquesa e o Gato ♠

"I'm worse at what I do best." ☆

Cicatrizes da minha vida #8

(Mais uma cicatriz psicológica!)

Depois de umas semanas atribuladas e de uma semana horrível e, tendo em conta o tempo espectacular para praia que estava, o gajo lembrou-se de me levar (finalmente!) a uma praia onde eu já queria ir há vários anos... Como a mãe dele estava de folga, decidiu leva-la. Tudo bem, até aqui.

Logo para começar bem manhã, rasguei a t-shirt ao sair do carro para beber café. Bem, como iríamos à praia pensei "que se lixe! Daqui a um bocado estou de biquini"

Pelo caminho apanhamos uma fila interminável (pensávamos nós) devido a um acidente mas que passou rápido pois depois dessa, apanhamos outra e essa é que sim - era interminável! Por isso desviámos-nos do nosso percurso e, como tal, do seu destino!  Decidiu-se então ir a outra praia... E fomos! Demorámos horas até almoçar (porque eles não se decidiam onde comer e não bastava uma sandocha), bebemos café à beira-mar, vi o mar, cheirei o mar, senti o mar (quando uma onda banhou a esplanada onde estávamos) mas nem um pézinho coloquei na areia! 

E pronto.. .Foi o meu Domingo de praia!  Doeu-me a alma. É que estava um tempo tão bom...

Para ainda melhorar a coisa, o carro avariou no caminho! Oh bonito! 

Cicatrizes da minha vida #7

Sabem quando vocês pensam que as coisas más vos acontecem sempre a vocês? Eu penso nisso todos os dias! Não há um dia em que não faça uma nódoa negra ou alguma cicatriz... Não há um dia em que não dê algum mau jeito ou que parta algo!

Esta cicatriz que vos vou contar, foi provocada por pura estupidez da minha parte. Já vão perceber porquê...

Em 2008, encontramos um gato na rua. Ora, lá em casa há (quase) sempre espaço para mais um! Uns dias seguintes ao Miki estar finalmente instalado e confortável, decidi dar-lhe um banho. Até aqui não correu mal. O pior foi que ele tremia imenso e, apesar de ter o aquecedor ligado, tive pena do pequeno. Decidi que o deveria de secar... Com um secador! Olha que boa ideia da minha parte, não foi? Não! Assim que ouviu o secador saltou de onde estava e arranhou-me o braço no pulso. Fiquei com uma ferida enorme que começou a querer infectar. Toca a colocar betadine naquilo e a ir trabalhar. Como usávamos blusa e tínhamos o ar condicionado ligado tive de arregaçar as mangas um pouco e a ferida ficou à vista... Uma das clientes ficou preocupada:

-A menina está bem?

Eu fiquei a pensar o que se passaria mas respondi que sim...

-Se precisar de ajuda diga, sim? Sabe que eu venho aqui todos os dias.  A vida é única e você é uma jovem tão bonita!

Comecei a reparar que toda a gente me olhava para os pulsos (principalmente para o que tinha a ferida)... As minhas colegas começaram a fazer perguntas e notei que andavam preocupadas. Percebi finalmente, quando uma falou comigo de forma mais clara, que a minha ferida dava a entender que tinha tentado cortar o pulso (só um!), ou seja, segundo elas eu tinha tentado suicídio!  

Fiquei com uma cicatriz no pulso para me fazer recordar do Miki  que já não está conosco. 

Cicatrizes da minha vida #6

Vocês já sabem que tenho queda para quedas. Que ''esbardalhanço'' é o meu nome do meio. A minha família e amigos já estão mais que habituados! Como tal, já prevêem e fazem apostas de quando e como será a próxima. (Estou rodeada de gente sensível e com extrema empatia!)

O que, normalmente, é algo romântico na maioria dos casais, conosco é mais : ''vá, dá-me a mão antes que vas parar lá abaixo e me faças passar uma vergonha''. 

O que, normalmente entre irmãos é preocupação, comigo e com a minha irmã é mais : ''olha, escadas! Vais esbardalhar-te mais uma vez?!''

E o que normalmente seria amizade, com o meu melhor amigo é mais : ''Partiste uma perna e eu não estava lá? Assim só me posso rir a tentar imaginar...''

Já com os meus pais é algo mais do tipo: "Bem, hospital outra vez...não é nada a que já não estejamos habituados!''

E comigo?  Bem, comigo já é algo pensado com muito medo: ''Estou há mais de 3 meses sem cair. Porra! O que virá aí?!''

 

E foi e é assim a minha vida! 

Cicatrizes da minha vida #5

Bem, provavelmente deveria de ter começado por contar um dos meus primeiros "esbardalhanço" público antes de todos os que já contei...

Este teve lugar em Lisboa, numa das visitas de estudo em que incluía um passeio de barco e na altura, provavelmente, estaria com os meus belos 13 anos. Pois bem, como somos de longe, optávamos sempre por levar uma mala com comida. A minha, por regra, tinha sempre uns pacotes de leite e iogurtes para a parte da manhã e uns sumos para a parte da tarde (as partes liquidas!). A manhã começou logo com um dos meus colegas a saltar entre laguinhos e a enfiar-se dentro de um deles...  Juro que não me ri! A sério. Tive pena do rapaz que ficou com as calças molhadas. Mal sabia eu que pior ficaria a Vânia. Tinha ficado para trás a atar um atacador, quando me lembro de correr e tropeçar numa das raizes das imensas àrvores! Ora, esbardalhei-me toda e caí mesmo em cima da mala... Era leite, iogurtes e sumos todos rebentados, as sandes molhadas e as costas da Vânia também não se encontravam muito bonitas.

E pronto, passamos um dia bastante agradável! O cheiro na minha mala era maravilhoso...

Cicatrizes da minha vida #3

Já vos contei a origem de algumas das minhas cicatrizes... Esta que vos vou contar, não ficou marcada no corpo mas ficou na alma!

Tinha um jantar para fazer pois vinha um casal amigo cá a casa. Decidi ir ao Pingo Doce que fica a poucos metros daqui maaaas, lembrei-me de ir á loja de cima por alguma razão. Maldita razão. Quando venho a descer, não vi que o piso estava molhado e desci as escadas todas de cu (deveria ter dito rabo?). Fui ter à entrada do shopping e acreditam que nem uma alminha me veio ajudar??!! Além de dorida ainda tive de fazer as compras e o jantar!