Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Duquesa e o Gato ♠

"I'm worse at what I do best." ☆

Quando o coração nos falta...

Amanhã faz uma década, minha velha! Uma década! Como foste capaz de me deixar há 10 anos? Não sabias que eu precisava de ti? Tens noção do avesso em que ficaram as nossas vidas a partir daí? Fazes-me falta todos os dias... Vocês fazem-nos falta! Nunca mais ninguém me passou a mão na cabeça depois de fazer asneira. Nunca mais ninguém ralhou com o tio por ele comer mais de metade dos doces e só deixar um bocadinho para mim (oh Vó, ele continua a comer doces que nem uma larva!). Nunca mais ninguém me telefonou a perguntar se almocei e se comi tudo

Onde andas? E onde andam os meus Capelas? Aquele 21 faz-me falta! 

Uma carta ao meu primeiro amor

Já tive para publicar isto há algum tempo atrás... Mas achei que seria estranho. Hoje em dia, quero lá saber se será estranho, se faz comichão, se faz doer a alma, se dá para fazer o pino! Sou eu. Faz parte de quem sou. Fez, faz e fará parte de mim.

 

"Amei-te embora não soubesse. Sim, amei-te. Não se gosta somente de alguém que, quase, vinte anos depois ainda se mantém guardado a 7 chaves no peito (dizem que é no lado esquerdo, mas sei lá!). Dizem que uma paixão dura seis meses. E quase duas décadas não são seis meses. Também dizem, os velhos (raios partam os velhos!), que um grande amor nunca se esquece. E passo quase todas as manhãs a ouvir isto...quando me contam histórias de amor vencidas em que se casaram com o amor da vida deles, quando me contam das amarguras dos amores deixados no passado e que, ainda hoje, lhes faz moça no coração. Tanta vez me pergunto a mim mesma, se serei eu um dia, num banco de café, a contar à empregada de balcão sobre ti. Raios, será que vou falar de ti quando estiver uma velha "caquética"?! Deverias de achar uma piada imensa...imagino!

Mas, se um dia for essa velhinha no banco do café, espero que não o fale por mágoa, arrependimento, tristeza... Se bem que é impossível alguma vez falar de ti estando triste. A tua recordação sempre me trouxe um sorriso e, sei de certeza-certezinha, que independentemente do futuro, falarei de ti sempre com um sorriso nos lábios e outro no peito."

 

Et voilá!

Ser solteira é... (parte 2)

... as ''velhas da aldeia'' já me terem arranjado alguns 5 namorados num espaço de 4 meses. O pior? É que um dos rapazes eu nem o conheço tão pouco, um tem namorada e outro deles é meu patrão.... os outros dois ainda se escapam! Hahaha. A única coisa que me preocupa aqui é o tal que não conheço... Imaginem lá se o rapaz não poderá ser o amor da minha vida e eu nem sei quem ele é! E pior, imaginem se é rico! Podia eu estar agora a passear de moliceiro em Aveiro e estou aqui. (Sim, que com a sorte que tenho o rapaz é forreta e nem serviria para me levar a Itália num passeio romântico de gondola).

 

Ser solteira é...

...todos os dias ter amigos a dizer que conhecem alguém que está solteiro e que era bom para mim! A sério, pareço assim tão desesperada? Estou assim tão velha? Não saberei eu arranjar namorado sozinha? (Deixem-me calar que pelos vistos não...)

Bem, isto para quem andou anos a saber que a sogra não gostava de mim, ter pais de amigos a quererem juntar-me com os filhos é bastante diferente... diria que me eleva o ego! 

 

Vou ter de levar com estas tretas o resto da vida, não vou?

Voltei não voltando...

Cá estou, mais uma vez. Custa-me um pouco abandonar estes meus espaços mas o tempo é escasso e, como disse já em publicações anteriores, estou a ''tratar de mim''. Estou bem. Agora estou. Tive uma ligeira recaida, emagreci mais do que deveria e perdi o apetite por completo... mas consegui não perder a consciência sobre as coisas e lutei contra essa ''corrente''. Agora estou bem. Tive uns amigos fantásticos e uma família que me apoiram. Tenho um trabalho que não me deixa pensar muito... e isso acaba por ajudar. Tenho lido imenso e aproveitado os poucos momentos livres para me escarrapachar ao sol e fazer fotossintese. Aprendi a olhar para mim...

Bem, venho cá, acima de tudo, agradecer as mensagens e emails. Vocês são fantásticos! Obrigada pelo carinho e preocupação. Eu estou bem...agora, finalmente, estou bem. 

Voltar para casa dos pais implica...

... a tua irmã mais nova voltar a pedir-te roupa ''emprestada''. Afinal, em 7 anos, nada mudou! 

 

Sim, tenho andado completamente a leste deste mundo. Confesso que começou a ser cansativo conciliar tudo o que estou a viver agora com os blogs. Tenho-me refugiado no trabalho, no desporto e nas leituras. E acho que me tem feito muito bem, embora ande cansada.

 Ter, finalmente, tempo para mim é algo a que eu já não estava habituada e tento ocupa-lo ao máximo com coisas que me distraiem e me façam bem -pelo que deixei um bocado telemóvel, tablet e televisão de lado. Agarrei-me à corrida, à piscina, aos meus livros... 

Sim, separei-me. Sim, voltei para casa dos meus pais. Sim, é estranho. Com quase 30 anos e estou a retroceder na vida... Bem, sempre me senti uma adolescente. Talvez nem note assim tanta diferença! 

Cá está uma das razões do meu ''abandono'' deste mundo. Não, não vos esqueci. Levo cada um no meu coração e lembro-me muitas vezes de vocês. Mas preciso de mim. De tempo. 

Beijinho,

Vânia